“Yoga is for all. I designed props so that all can benefit from it” BKS Iyengar

 

“In 1937, when I was in Pune, the then principal of Fergusson College came to me with some sought relief. He was around 85 years old and I was 19. I wanted to make him to do standing poses, but his age compounded with problems deterred him from ever standing correctly. If then occurred to me that I could make him do Trikonasana and Parshvakonsasana lying down. His legs however did not stay apart. So, I hept a long wooden rod between his feet to stop hislegs from coming closer. That was my first creation of a prop – a Wooden Rod”. *

O mestre IYENGAR inventou os materiais para a prática, tais como, cintos, blocos, cadeiras, cordas, bolsters, cobertores com o objectivo não só de ajudar os alunos a aprender as posturas corretamente, evitando o risco de lesão ou tensão, mas também para intensificar o trabalho de um asana. Os materiais podem ser utilizados também para suportar o corpo, para dar um sentido de orientação, percepção e profundo conhecimento de uma postura. Assim o aluno pode também assimilar e integrar os benefícios do asana, de uma forma mais consciente. Aqui apresentamos alguns deles.

Bloco

Hoje em dia os blocos são parte integrante das posturas de pé, mas eles foram criados inicialmente para fazer a postura invertida sobre a cabeça (Sirsasana), para reduzir as dores de pescoço e o peso na cabeça. O mestre começou por usar um brick na horizontal e outro na vertical. O vertical é usado para suportar as costas junto à parede e o horizontal suporta das omoplatas, provando ser bastante eficaz.

Para as posturas de pé também é usado um brick redondo para as pessoas com pé “chato”.

Cinto

Um dia, em 1960, quando o Mestre estava em França ele viu que as pessoas usavam cintos para carregar e amarrar as suas malas e foi quando ele pensou que se o cinto atava tão firmemente as malas, então ele também poderia ser usado para atar as pernas. Com esse aperto, o mestre pôde senti-las num espaço confinado. Isso é ação com resistência. O Mestre começou então a manufaturar esse tipo de cinto em Pune.

Cadeira

A cadeira foi inicialmente criada para efetuar Viparita Dandasana, pois oferece suporte e cria uma sensação de segurança e estabilidade.

Mais tarde o Mestre começou a usá-la também para fazer a postura invertida sobre os ombros (Sarvangasana) e o bolster para suportar os ombros, o que também ajudou na flexão do pescoço. A cadeira suporta a zona lombar e ajuda a que essa zona não afunde na direção do chão e com este suporte os ombros rodam para trás ativamente, abrindo o peito.

Corda

No processo de aprendizagem de Sirsasana muitos alunos têm medo. O Mestre costumava por os alunos a fazerem Sirsasana no centro da sala mas com o seu apoio, agarrando-lhes as coxas, ou colocava-os nos cantos das paredes para ficarem com as costas suportadas, dando assim um sentido de direção e confiança. No entanto, muitas pessoas também se queixavam de dores no pescoço, a respiração ficava ofegante e o diafragma contraído. Assim, começou por colocar blocos a suportar os ombros, mas também não era solução para todos. Foi quando colocou as cordas nas paredes e sentiu de imediato o relaxamento da mente e a liberdade no pescoço. Depois colocou cordas a virem do tecto para sentir ainda mais liberdade na execução da postura.

Peso

A introdução dos pesos data dos anos 40. Todos os dias o Mestre fazia 25 milhas de um canto ao outro da cidade para dar aulas. No fim do dia sentia-se cansado. Para relaxar, costumava colocar 4 colchões enrolados e um balde cheio de água por cima das coxas e às vezes também pedia à mulher para se sentar sobre elas.

Observou ainda que muitos alunos não conseguiam controlar os tremores nas pernas, também devido à ansiedade. Então ele amarrou as suas pernas com um pedaço de pano e colocou algum peso sobre elas. Os tremores pararam e os alunos experimentaram um relaxamento profundo. Assim, o Mestre concluiu que os pesos ajudam os alunos a relaxar o sistema nervoso.

Banco para Viparita Dandasana

O Mestre tinha muitos alunos com problemas de coluna e perguntou a si mesmo, como é que estes alunos podiam fazer extensões do tronco atrás sem se lesionarem? Ele costumava deitar-se nos cilindros para asfalto que encontrava na estrada. Foi quando decidiu fazer o Viparita Dandasana em contentores concebidos para reter água. No entanto, como estes contentores eram feitos de aço nem todos os alunos conseguiam suportar a postura. Depois veio a ideia de fazer a postura sobre pedais circulares com cobertores sobre eles. Os alunos gostaram e sentiram extensão e relaxamento ao mesmo tempo. Contudo, o contentor não estava desenhado com a curvatura da coluna e foi assim que, finalmente, o Mestre desenhou o banco para Viparita Dandasana.

*Texto retirado da exposição de fotos presente na celebração do centenário do nascimento de BKS Iyengar, Pune, Dezembro 2018.